Steph Davis

 

Uma das escaladoras mais fantásticas. Sola uma via  e salta do cume de B.A.S.E. Jump. Definitivamente não é uma mulher qualquer… Super simpática e sem nenhuma postura arrogante. Adorei conhecê-la! Conheçam vocês também…

 

Nasceu em qual cidade?
Illinois – EUA

Está com que idade?
37 anos

Aonde mora atualmente?
Moab, Utah – EUA

Como a escalada surgiu na sua vida?
Comecei a escalar na faculdade quando um amigo me levou a um penhasco para fazermos top rope

E os solos…o que te motivou?
Venho fazendo o free solo desde que comecei a escalar. Sempre gostei de praticar isso sozinha, solar devagar e relaxadamente. Às vezes estou inspirada a fazer solos mais difíceis porque realmente admiro o foco e a atenção extrema aos detalhes que essa atividade requer.

Conquistou alguma via de escalada?
Inshallah no Shipton Spire – Paquistão
Tahir Tower no Kondus Valley FA VII 5.11 A3 – Paquistão
JoshuaTower, na Ilha de Baffin
P-D North Face no Poincenot – Patagônia
Ascenção em livre da Tombstone, em Moab

O B.A.S.E. Jump, como foi que começou?
Teve um período em que o free solo era o que mais me motivava. Repentinamente tive o desejo de fazer o skydive e tive a experiência de queda livre. Depois que comecei a fazer o skydiving, era natural querer saltar de penhascos, uma vez que vivo perto dos penhascos e passo a maior parte do tempo neles.

Sente medo? Como é a sua relação com ele?
Sim. Não gosto de sentir medo e quando o tenho, procuro descobrir como fazer o que eu quero sem estar com medo. Geralmente isso necessita de repetição e prática.


Solando em Yosemite

 

Gostaria que contasse para nós um perrengue que tenha passado na parede…
Um dos meus piores momentos tem sido durante as grandes tempestades, geralmente na Patagônia. Também fui pega por algumas tempestades desagradáveis no El Captain, mas na Patagônia é mais aterrorizante por causa dos ventos e os glaciais.

Algum projeto para este ano?
Tenho 3 fendas difíceis em Moab que quero fazer e também um projeto de escalada mais aventuroso que incluiu base jumping, mas a temporada de escalada é no Outono/Inverno aqui em Moab. Então vou para o Canadá nesse verão para escalar, e depois para o Japão para ensinar em um curso de formação de professores de Yoga (sobre controle mental), e em seguida no Outono, será a temporada de escalada em Moab.

Curiosidade em conhecer as montanhas do Brasil?
Sim, recentemente recebi uma mensagem no meu blog ( HYPERLINK “https://www.highinfatuation.com/blog” www.highinfatuation.com/blog) de um escalador brasileiro. Ele incluiu algumas fotos de montanhas no Brasil.

Lemos trechos interessantes sobre o seu livro “High Infatuation, a Climbers to Love an Gravity”? Poderia nos contar mais sobre ele?
Quis dividir algumas histórias, pensamentos e emoções. Tantas coisas acontecem nas escaladas, e ainda tem muito a ser aprendido.

Quer deixar um recado para as escaladoras brasileiras?
Divirtam-se e cuidem-se!

 

Entrevista concedida ao Site Mulheres na Montanha

Feita por  Rosane Camargo
Tradução: Daniela Nóbrega
Fotos: Arquivo pessoal

 


Salathe Wall – Yosemite

 

LEIA AGORA A ENTREVISTA ORIGINAL, EM INGLÊS

 

One of the most fantastic climbers. She alone complete a route and a jump from the top of B.A.S.E. Jump. She is not an ordinary girl… Super friendly and no arrogant attitude. I love to meet her and know you too…

What city were you born?
Illinois

How old are you?
37

Where are you living at the moment?
Moab, Utah

How does the climbing came to your life?
I started climbing in college when a friend took me to a small top rope cliff.

And the free solos, what has motivated you?
I have been free soloing since I started climbing.  I always like doing things alone, and easy soloing is relaxing.  Sometimes I am inspired to do more difficult solos, because I really appreciate the focus and extreme attention to detail that it requires.

Have you started any route (First ascended)?
Inshallah on Shipton Spire in Pakistan
Tahir Tower in the Kondus Valley in Pakistan
Jushua Tower in Baffin Island
The P-D North Face on Poincenot in Patagonia
The free ascent of the Tombstone in Moab.

The B.A.S.E. Jump, how did it started in your life?

I went through a period where free soloing was the thing that motivated me the most.  I suddenly had the urge to skydive, and experience free fall.  After I started skydiving, it was natural to want to jump from cliffs, since I live near the cliffs and spend most of my time on them.

Do you fell fear? What is your relation with fear?

Yes.  I don’t like being afraid, and when I’m afraid I try to figure out how to do what I want to do without being afraid.  Usually it take repetition, and practice.

We would like you to tell us a real bad time that you have had at the walls…
Some of my hardest times have been in big storms, usually in Patagonia.  I have also been caught in some unpleasant storms on El Cap, but it’s scarier in Patagonia because of the winds and the glaciers.

Do you have any project for this year?
I have three hard cracks in Moab I want to do, and also a more adventurous kind of climbing project that includes base jumping, but fall/winter is the climbing season in Moab.  So I’m going to Canada this summer, to climb, and then to Japan to teach at a yoga teacher training course (about mental control), and then in the fall it will be the climbing season in Moab.

Are you curious about knowing the mountains in Brazil?

Yes, recently I got a letter at my blog ( HYPERLINK “https://www.highinfatuation.com/blog” www.highinfatuation.com/blog) from a Brazilian climber, and he also included photos of some rocks in Brazil.

At your book`s excerpt, there are some interesting comments. “High Infatuation, a Climbers to Love an Gravity”. Could you tell us more about the book?

I wanted to share some stories, thoughts and emotions.  So many things happen on climbs, and there is a lot to be learned.

Would you like to leave a message to the ladies climbers, in Brazil?
Have fun and be safe!

Posted in:

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *